TEXTOS PUBLICADOS
Fragmentos de obras e seus autores


Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces, porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto. No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida, e eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz. Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado, quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados, para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada que ficou sobre a minha carne como uma nódoa do passado. Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face, teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada, mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite, porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa, porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço e eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado. Eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciosos, mas eu te possuirei mais que ninguém porque poderei partir e todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada...
Vinícius de Moraes
Ausência 1935
Publicado 11 | Agosto | 2017


Ela riu e soprou uma nuvem de fumaça em direção ao teto. “Pare, isso parece coisa tirada de um melodrama do tempo da iluminação a gás. Aliás, o que é ‘esse tipo de garota’? Só uma ideia. Você me beijar ou não não tem a mínima importância. Eu poderia explicar, mas para que me preocupar? Você provavelmente acabaria achando que eu sou ninfomaníaca.”
“Eu nem sei o que é isso.”
“Diabos, é justo isso que quero dizer. Você é um homem, um homem de verdade, e eu estou tão cansada desses rapazes... Eu só queria saber como seria, é isso.”
Ele se inclinou sobre ela. “Você é uma garota engraçada”, disse, e ela estava nos seus braços. Beijou-a, deslizou a mão pelo ombro dela e pressionou seu seio. Ela se virou e o empurrou com violência, e ele se estatelou no tapete verde e frio. Ela se levantou e ficou parada diante dele, e eles se encararam. “Seu sujo”, ela disse. Depois deu um tapa no rosto perplexo dele. Ela abriu a porta, hesitou, arrumou o vestido e voltou para a festa. Ele ficou sentado no chão por um momento, depois se levantou e foi para o vestíbulo, e então lembrou que tinha deixado o boné no quarto branco, mas não se importou, só queria sair dali....
Truman Capote
20 Contos de Truman Capote The complete stories of Truman Capote 2004
As paredes são frias The walls are cold 1943
Publicado 3 | Julho | 2017


Não tenho medo de mostrar meus sentimentos e de fazer coisas imprudentes, pois acredito que o que não se mostra, não se sente. Coisa que talvez surpreenda muito a você, pois os seus sentimentos são tão guardados que parecem não existir realmente... Mas uma coisa pode ser dita a meu favor: mesmo que não me encontrasse naquele estado de terrível vaidade egocêntrica, eu não teria podido avaliar a extensão do mal que causava por que então não sabia o que era amor. Será que alguma vez eu soube?... Dependendo das circunstâncias e do momento, uma qualificação pode ser levada muito acima do seu real valor; muitas vezes, ao contrário, pode ser rebaixada pela tendência a se considerar que nascer em berço de ouro é mais importante do que ter bom caráter... A timidez é sempre efeito de uma sensação de inferioridade, de um modo ou de outro. Se eu pudesse me convencer de que meus modos são perfeitamente graciosos e espontâneos, não seria tímido....
Jane Austen
Razão e sensibilidade Sense and sensibility 1811
Publicado 29 | Abril | 2017


Não crês no meu amor? Não podes ter a pretensão de ser tão incrédula. Se não acreditas na minha palavra, consulta meus olhos e consulta os teus. Por meio de teus olhos, verás que eles têm encantos; nos meus, verás que meu coração é sensível a eles. Recorda o que aconteceu à noite passada: aquilo pelo menos foi um beijo de amor. O fervor, a veemência e o calor daquele beijo deram voz ao deus de quem ele é filho. Mas, oh! Sua doçura, sua terna suavidade expressavam ainda mais aquele deus. Com os membros trêmulos e a alma febril, me deliciei.  Convulsões, suspiros e murmúrios mostraram a imensa desordem dentro de mim, desordem que o beijo só fez aumentar, pois aqueles lábios queridos injetaram em meu coração e em minhas entranhas um veneno delicioso e uma ruína inevitável, mas encantadora....
William Congreve
Carta a Arabella Hunt Letter to Arabella Hunt 1680
Publicado 5 | Abril | 2017


Até agora ela não comeu nada, sendo certo que vai ficar assim o dia todo. Na última noite não dormiu, nem há de dormir na noite entrante. De igual modo que com a comida fiz, acharei meios de encontrar hipotéticos defeitos na arrumação do leito: os travesseiros atiro para um lado, as almofadas para outro, jogo longe os cobertores, faço voar os lençóis. Sim, e em toda essa barulheira infernal direi que faço tudo por causa dela. Em suma: ela há de vígil passar a noite; e caso os olhos venha a fechar, farei tão grande bulha com ralhos e disputas, que por força terá de despertar. Essa é a maneira de matar com carícias uma esposa. Dobrarei desse modo o gênio dela, opinioso e violento. Se alguém sabe como amansar melhor uma megera, venha ensinar-me, que aqui fico à espera....
William Shakespeare
A megera domada The taming of the shrew 1593
Publicado 17 | Março | 2017


Nunca fiquei loucamente apaixonado por ela, o que costumava me preocupar em relação ao futuro, a longo prazo: eu pensava — e, considerando a maneira como acabamos, talvez ainda pense — que todo relacionamento precise daquele tipo de empurrão violento que é a paixão, uma maneira de largar bem e passar os primeiros obstáculos. E então, quando a força daquele primeiro empurrão acaba e a gente quase para, é olhar em torno para ver o que se tem. Talvez seja algo completamente diferente, talvez mais ou menos a mesma coisa, só que mais suave e tranquilo, ou talvez não tenha sobrado nada....
Nick Hornby
Alta fidelidade High fidelity 1995
Publicado 9 | Março | 2017


— “Amor é aquilo que escraviza os livres e liberta os escravos” — respondeu ele instintivamente, enganado por um jogo ao qual não sabia resistir e cujas regras ela conhecia como ninguém mais. Depois, arrancando-o da fresta que se abrira na parede de sua autodefesa, o medo, com suas garras, lançou-o de volta no escuro. — Mas, Stella, nós estamos juntos e somos livres. Estamos tão bem... Por que você quer arruinar tudo? E, sem esperar resposta, saiu. As rodas da bicicleta se moveram com dificuldade, ele parecia ter que empurrar o caminho, não os pedais. Ela, imóvel entre seus livros silenciosos, deixou fugir o sorriso, como uma máscara mal aplicada. O sol de setembro que penetrava pela vitrine se fragmentou em pequenos estilhaços úmidos que lhe caíam das faces. Sentiu-se sozinha no meio de todos aqueles poetas e escritores. As lágrimas molharam o livro que ela ainda segurava. Disso falamos, quando falamos de amor: de lágrimas. Talvez as do amor ferido, recolhidas todas juntas, formem um oceano mais vasto que as brotadas do amor correspondido. Talvez umas e outras se equilibrem, como as subidas e as descidas. São coisas que ninguém sabe....
Alessandro D’Avenia
Coisas que ninguém sabe Cose che nessuno sa 2011
Publicado 6 | Fevereiro | 2017


Quando em teu colo deitei a cabeça, meu camarada, a confissão que fiz eu reafirmo, o que eu te disse e a céu aberto eu reafirmo: sei bem que sou inquieto e deixo os outros também assim, eu sei que minhas palavras são armas carregadas de perigo e de morte, pois eu enfrento a paz e a segurança e as leis mais enraizadas para as desenraizar, e por me haverem todos rejeitado mais resoluto sou do que jamais poderia chegar a ser se todos me aceitassem, eu não respeito e nunca respeitei experiência, conveniência, nem maiorias, nem o ridículo, e a ameaça do que chamam de inferno para mim nada é, ou muito pouco, meu camarada querido: eu confesso que o incitei a ir em frente comigo e que ainda o incito sem a mínima ideia de qual venha a ser o nosso destino ou se vamos sair vitoriosos ou totalmente sufocados e vencidos....
Walt Whitman
Quando em teu colo deitei a cabeça As I lay with my head in your lap, camerado 1860
Publicado 16 | Janeiro | 2017


– Jack é como um romance de férias tórrido e intenso. Admito que existe um tipo de faísca ou atração entre vocês, isso é evidente, e sei que acha que o que está sentindo é amor, mas você precisa saber que, na realidade, não é. Está tudo na sua cabeça, é tudo falso e está ligado ao fato de ele ser um herói e ter salvado você |...| À luz da realidade, esses sentimentos que você acha que nutre por Jack simplesmente não vão resistir. Mas você está tão perdida nessa atração impossível que deixou de ver com clareza. Suas palavras me rasgaram como facas, mas eu não deixaria que aquilo transparecesse. – Portanto, talvez se você e Jack… consumarem o ato – bem, isso livrará seu sistema dele. Irá expurgá-lo de você. Fiz uma careta. Ela fazia meus sentimentos por Jack parecerem algum tipo de doença desagradável que eu precisava erradicar. – E então, depois de feito, você verá a diferença entre ter um caso rápido com alguém por quem se tem uma paixonite aguda e uma relação duradoura com alguém que se ama....
Dani Atkins
A história de nós dois The story of us 2014
Publicado 23 | Dezembro | 2016


...o amor tingido de rosa abriu para ele seus braços delicados e segurou firme os cornos do deus, e quando o vinho embebeu as asas agitadas de Cupido, ele ficou lá pesadamente agarrado ao lugar que escolheu. Então ele agita com velocidade suas asas úmidas, mas as próprias gotas que o amor respinga fazem mal. O vinho prepara os corações e os torna aptos aos ardores amorosos; as preocupações fogem e se afogam nas múltiplas libações. Em seguida, nasce o riso; então o pobre se enche de coragem; depois desaparece a dor bem como nossas preocupações e as rugas de nossa fronte. Logo as almas se abrem numa franqueza bem rara em nosso tempo; é que o deus expulsa os artifícios. Lá muitas vezes o coração dos jovens foi cativado; Vênus após o vinho é fogo sobre o fogo |...| A noite dissimula as manchas e é indulgente com todas as imperfeições; nestas horas qualquer mulher parece bela. Tenha o dia como conselheiro para julgar as pedras preciosas ou a lã tingida de púrpura; tenha-o como conselheiro para julgar os traços do rosto e as linhas do corpo....
Públio Ovídio Naso
A arte de amar Ars amatoria 1 a.C. e 1 d.C.
Publicado 28 | Novembro | 2016


Talvez o tivesse feito inconscientemente, dando às coisas sua ordem natural, como faria uma mulher, se escrevesse como uma mulher. Mas o efeito era um tanto desconcertante; não se conseguia ver uma onda a se avolumar, uma crise aproximando-se na próxima esquina. Portanto, não pude envaidecer-me nem com a profundeza de meus sentimentos nem com meu profundo conhecimento da alma humana. Pois, sempre que estava prestes a sentir as coisas habituais nos lugares habituais, sobre o amor, sobre a morte, essa criatura incômoda repelia-me para longe, como se o ponto importante estivesse um pouquinho mais adiante. E assim ela tornara impossível para mim despejar frases sonoras sobre os "sentimentos básicos", o "caráter comum da humanidade", "as profundezas de coração humano", e todas essas outras expressões que nos fortalecem em nossa crença de que, por mais astutos que sejamos na aparência, somos no fundo muito graves, muito profundos e muito humanos....
Virginia Woolf
Um teto todo seu A room of one's own 1928
Publicado 13 | Novembro | 2016


E assim, urgidos, queremos cumpri-lo, contê-lo em nossas simples mãos, no transbordante olhar, no coração emudecido. Tentamos nele nos transformar. A quem dá-lo? Melhor tudo guardar para sempre... Na outra relação, ai de nós, o que poderíamos transpor? Não o contemplar, aqui vagarosamente apreendido, não o aqui consumado: mas a angústia e acima de tudo o mais árduo, a longa experiência do amor – o puro indizível. Mais tarde, porém, o que dizer entre as estrelas, tão mais, tão mais indizíveis? Traga pois o viandante da encosta do monte para o vale, não apenas um punhado de terra do indizível, mas a palavra colhida pura, a genciana amarela e azul. Estamos aqui talvez para dizer |...| compreende, para dizer as coisas como elas mesmas jamais pensaram ser intimamente. Não é o mais secreto ardil da terra silenciosa, ao impelir os amantes, fazer com que tudo se rejubile no seu sentimento? Umbral: o que significa para dois amantes que eles também desgastem o velho umbral da porta, eles também, depois de tantos outros, e antes dos que virão ainda... inevitavelmente?
Rainer Maria Rilke
Elegias de Duíno Duineser elegien 1951
Publicado 28 | Outubro | 2016


Passaram-se anos sem que Dorian Gray conseguisse libertar-se da influência deste livro. Ou talvez fosse mais exato dizer que nunca procurou libertar-se dele. Mandou vir de Paris nada menos que nove enormes brochuras da primeira edição, que mandou encadernar em diferentes cores, de modo a condizerem com os seus diversos estados de espírito e com os volúveis caprichos de um temperamento sobre o qual lhe parecia, por vezes, ter perdido todo o domínio. O herói, o fantástico jovem parisiense, em quem se casavam de modo tão surpreendente o temperamento romântico e o científico, tornou-se para ele uma espécie de prefiguração de si próprio. E, de fato, era como se todo o livro contivesse a história da sua vida, escrita antes de ele a ter vivido....
Oscar Wilde
O retrato de Dorian Gray The picture of Dorian Gray 1890
Publicado 10 | Outubro | 2016


Feche os olhos disse Marcus |...| Ele roçou a boca na testa e nas pálpebras frágeis dela. Descanse. Você precisa recuperar as forças… Porque, quando estivermos casados, não conseguirei deixa-la em paz. Vou querer ama-la em todos os minutos do dia. Ele a puxou mais para perto. Não há nada mais bonito no mundo do que seu sorriso… nenhum som mais doce do que o da sua risada… nenhum prazer maior do que tê-la em meus braços. Hoje percebi que não poderia viver sem você, minha diabinha teimosa. Nesta vida e na próxima, você é minha única esperança de felicidade. Diga-me, Lillian, meu amor… como conseguiu entrar tão fundo no meu coração?
Lisa Kleypas
Era uma vez no outono It happened one autumn 2005
Publicado 4 | Outubro | 2016


Agora o problema do amor o preocupava, sobretudo porque ele não o considerava um problema. Não obstante, tinha consciência de que não era amado. A consciência desse fato era como um segundo coração que batesse dentro dele. Mas não havia ninguém. Anna, talvez. Anna o amava? “Ah”, disse Anna, “existe alguma coisa que pareça ser o que é? |...| Parece ouro, mas você põe o anel no dedo e fica uma marca verde. O meu segundo marido, por exemplo: ele parecia um bom sujeito, mas acabou sendo um canalha como todos os outros. Olhe só para esta sala: naquela lareira ali não dá para queimar nem incenso, e esses espelhos, eles aumentam o espaço, eles enganam. Nada, Walter, é o que parece. As árvores de Natal são de celofane, e a neve não passa de flocos de sabão. Tem uma coisa voando dentro da gente que se chama Alma, e, quando você morre, você nunca morre de verdade; pois é, e, quando a gente está viva, a gente nunca está viva de verdade. E você quer saber se eu te amo? Não seja burro, Walter, nós não somos nem amigos....
Truman Capote
20 Contos de Truman Capote The complete stories of Truman Capote 2004
Fechar a última porta Shut a final door 1947
Publicado 26 | Setembro | 2016


Necessito de uma linguagem semelhante à dos amantes, de palavras de uma só sílaba |...| Necessito de um uivo, de um grito. Quando a tempestade atravessa o pântano e me apanha a descoberto na vala onde me encontro, não preciso de palavras nem de nada arrumadinho. Não quero nada que venha do ar e pouse no solo com toda a força, não quero nenhuma das ressonâncias e ecos que nos vibram ao longo dos nervos e se transformam em música selvagem e em frases falsas. Estou farto de frases. O silêncio é bem melhor; a xícara de café, a mesa. É bem melhor sentar-me sozinho, como uma gaivota solitária que se empoleira num poste e abre as asas a todo o comprimento. Deixem-me ficar aqui para sempre com todos estes objetos nus, esta xícara, esta faca, este garfo, tudo coisas em si mesmas, eu próprio nada mais sendo que eu próprio. Não me venham perturbar com essa história de que está na hora de fechar e partir. De boa vontade vos daria todo o dinheiro que possuo para me deixarem ficar em paz e em silêncio, sozinho, sozinho para sempre....
Virginia Woolf
As ondas The waves 1931
Publicado 9 | Setembro | 2016


Oberon — Nesse mesmo instante pude ver, o que a ti fora impossível, como Cupido, inteiramente armado, se atirava entre a terra e a lua fria. A mira havia posto numa bela vestal que o trono tinha no ocidente; com energia e decisão dispara do arco a flecha amorosa, parecendo que cem mil corações ferir quisesse. No entanto eu pude ver a ardente flecha do menino esfriar-se sob a influência da aquosa lua e de seus castos raios, continuando a imperial sacerdotisa seu virginal passeio, inteiramente livre de pensamentos amorosos. Vi bem o ponto em que caiu a flecha do travesso Cupido: uma florzinha do ocidente, antes branca como leite, agora purpurina, da ferida que do amor lhe proveio. "Amor ardente" é o nome que lhe dão as raparigas. Vai buscar-me essa flor; já de uma feita te mostrei essa planta. Se deitarmos um pouco de seu suco sobre as pálpebras de homem ou de mulher entregue ao sono, ficará loucamente apaixonado por quem primeiro vir, quando desperto. Vai buscar-me essa planta; mas retorna antes de duas léguas no mar vasto nadar o leviatã....
William Shakespeare
Sonho de uma noite de verão A midsummer nigth's dream 1605
Publicado 29 | Agosto | 2016


Eu nunca vi o sol nascer, mas Mary e Dickon, já, e pelo que eles me contam, estou certo que é mágica também. Algo o impulsiona e o chama. Às vezes, desde que comecei a vir ao jardim, eu olho para as árvores lá no alto do céu e tenho um estranho sentimento de estar feliz, como se algo estivesse impulsionando e me chamando dentro de meu peito, me fazendo respirar mais rápido. A mágica está sempre impulsionando, chamando e criando coisas do nada. Tudo é feito através de mágica, folhas, árvores, flores, pássaros, texugos, raposas, esquilos e pessoas. Então ela deve estar ao nosso redor. Neste jardim, em todos os lugares. A mágica neste jardim me fez ficar de pé, e eu sei que vou viver para me tornar um homem. Eu farei experimentos científicos para ter alguma mágica, colocá-la em mim e fazê-la impulsionar e me chamar, me tornando mais forte. Eu não sei como farei, mas acho que se você se mantiver pensando nela e a chamando, ela talvez apareça. Talvez esse seja o primeiro e menor caminho até ela. Quando eu estava tentando ficar de pé pela primeira vez, Mary ficou repetindo para ela mesma, o mais rápido que pôde, “Você consegue! Você consegue!” E eu consegui. Eu tive que me esforçar também, é claro, mas a mágica dela me ajudou, e Dickon também. Toda manhã e toda noite, e tantas vezes durante o dia, sempre que eu me lembrar, vou dizer, “A mágica está em mim! A mágica está fazendo com que eu me sinta melhor!”. Eu serei tão forte quanto Dickon, tão forte quanto Dickon! E vocês também devem fazer isso. Esse é meu experimento. Você vai me ajudar, Ben Weatherstaff? Sim, sim, senhor! disse Ben Weatherstaff. Sim, sim! |...|. Dickon ouviu toda a lição, com os olhos brilhando de curioso prazer. Noz e Casca estavam em seus ombros, e ele segurava um coelho de orelhas grandes em seus braços, acariciando-o sem parar, com delicadeza, enquanto ele deitava suas orelhas em suas costas e se deliciava. Você acha que o experimento vai funcionar? Colin perguntou a ele, imaginando o que ele estava pensando. Muitas vezes ele se pegava refletindo sobre o que Dickon estaria pensando quando o via olhando para ele ou para uma de suas “criaturas” com um largo e feliz sorriso. Ele sorria naquele momento, e seu sorriso parecia maior que de costume. Sim. ele respondeu. Eu acho que vai....
Frances Hodgson
O jardim secreto The secret garden 1911
Publicado 20 | Agosto | 2016


Não posso mais ouvir em silêncio. Preciso falar com você pelos meios de que disponho neste momento. Você partiu minha alma. Sou metade agonia, metade esperança. Não me diga que é tarde demais, que sentimentos tão preciosos foram-se para sempre. Ofereço-me para você de novo com um coração muito mais seu do que quando você quase o despedaçou há oito anos e meio atrás. Não se atreva a dizer que o homem esquece mais rápido do que a mulher, que seu amor morre mais cedo. Eu tenho amado somente você, mais ninguém. Injusto posso ter sido, fraco e ressentido também, mas nunca inconstante. Você, apenas você trouxe-me para Bath. Faço planos pensando somente em você. Você não ainda percebeu? Terá você falhado em entender meus desejos? Eu não teria esperado nem estes dez dias se tivesse podido ler seus sentimentos como eu penso que você penetrou nos meus. Quase não posso escrever. A todo instante ouço alguma coisa que me atordoa. Você abaixa sua voz, mas eu posso distinguir seus tons mesmo quando perdidos em meio aos outros. Boníssima e excelente criatura! Você nos faz justiça, deveras. Você crê que há afeto verdadeiro e constância entre os homens....
Jane Austen
Persuasão Persuasion 1816
Publicado 28 | Julho | 2016



Acho que este planeta seria muito agradável se seus habitantes se cumprimentassem com um sorriso quando se encontrassem — disse o Jovem Príncipe. — O verdadeiro amor — continuei — se concentra no que é bom para a outra pessoa, esquecendo o que é bom para nós. Para esse amor, que aceita tudo e perdoa tudo, nada é impossível. Se tratarmos os outros pelo que são, eles continuarão do mesmo jeito, mas se tratarmos os outros pelo que poderiam ser, eles alcançarão a verdadeira plenitude. Esse é o amor altruísta, que torna tudo melhor em seu caminho e não deixa nada nem ninguém indiferente a ele. — Mas mesmo com um grande amor, nós não podemos resolver tudo — disse o Jovem Príncipe, talvez com saudade de sua flor ou asteroide perdido no espaço, com dois vulcões a ponto de explodir. — Mas você sempre pode fazer algo, não se esqueça disso — respondi. — Amar é não desistir de fazer essa coisa. Se tudo o que tem é amor, você irá descobrir que o amor é suficiente. — Deve ser muito triste não ser amado — observou o Jovem Príncipe. — Mais triste ainda é não ser capaz de amar — disse eu e complementei: — Existem aqueles que concebem o mal como uma força poderosa oposta ao amor. Eu acho que nossa maior tragédia acontece quando deixamos de amar. A falta de amor: isso é que é o inferno....
Alejandro Guillermo Roemmers
O retorno do Jovem Príncipe The return of the Young Prince 2011
Publicado 26 | Julho | 2016



O que eu sinto corresponde exatamente aos sentimentos que expressas, mas é muito difícil responder na tua bela língua a essas doces expressões, que merecem uma resposta mais em atos do que em palavras. Espero, no entanto, que o teu coração seja capaz de sugerir tudo o que o meu gostaria de te dizer. Talvez que se te amasse menos não me custasse tanto exprimir o meu pensamento, pois tenho de vencer a dupla dificuldade de expor um sofrimento insuportável numa língua estranha. Desculpa os meus erros. Quanto mais bárbaro for o meu estilo, mais se assemelhará ao meu destino longe de ti. Tu, o meu único e derradeiro amor, meu tesouro adorado  tremo enquanto te escrevo, como treme o mesmo doce bater de coração. Tenho milhares de coisas para te dizer e não sei como dizer  um milhão de beijos para te dar, e, ai de mim, quantos suspiros! Ama-me, não como eu te amo, pois te sentirias muito infeliz; não me ames como eu mereço, pois não seria o bastante, ama-me como te ordena o coração. Não duvides de mim. Sou e serei sempre o teu mais terno amante....
George Gordon Byron
Carta a Condessa Teresa de Guiccioli Letter to Teresa Guiccioli 1819
Publicado 2 | Julho | 2016


— Estou bem. — Não era verdade. Não se sentia bem desde que soubera que Peter estava com outra mulher. Sentiu-se destruída e inadequada. Nunca havia se recuperado da perda devastadora do sonho que havia carregado consigo desde criança, brincando de casinha com suas bonecas de papel. Não era para ser assim. O casamento deveria ser para sempre. O amor deveria durar mais que uma só noite. O compromisso deveria durar mais que poucos meses. Tudo o que Lacey tirou de seus anos com Peter foi uma amargura enterrada tão profundamente em sua alma que foi necessário a ternura de outro homem, que ela mal conhecia, para perceber o que estava fazendo consigo mesma nos últimos dezoito meses. Em silêncio, Jack a acompanhou pelo corredor. Parando do lado de fora do apartamento dela, ele tirou um cacho de cabelo de seu rosto. Seu toque era leve e delicado. — Obrigado — ele sussurrou, pressionando suavemente seus lábios contra os dela. Ela piscou. Duas vezes. — Por que está me agradecendo? Um sorriso surgiu no canto da boca de Jack. — Você saberá em breve....
Debbie Macomber
O amor mora ao lado Family affair 1994
Publicado 21 | Junho | 2016


Obviamente. Por que eu não havia pensado nisso? Por que não pensei desse jeito? Precisávamos de amor. Eu vinha tentando evitar até que ela me tocasse com a mão, presumindo que o afeto era inadequado, uma indulgência, uma irreverência com a morte. Algo a que voltaríamos mais tarde, quando todas as conversas e confrontos de opinião houvessem cessado. Clarissa nos conduzira de volta ao essencial. Fomos de mãos dadas para o quarto. Ela sentou na beira da cama e a despi. Quando lhe beijei o pescoço, ela me puxou para si. “Não me importa o que vamos fazer”, sussurrou. “Não precisamos fazer nada. Só quero te abraçar.” Ela se enfiou debaixo das cobertas e ficou deitada de costas, com os joelhos dobrados, enquanto eu tirava a roupa. Quando me deitei, ela passou os braços em volta de meu pescoço e trouxe meu rosto para perto do seu. Ela sabia que eu adorava esse tipo de enlace, que me dava a sensação de pertencer, de ter raízes, de ser um bem-aventurado. E eu sabia que ela gostava de fechar os olhos para que eu beijasse suas pálpebras, seu nariz, todo o rosto, como se ela fosse uma criança na hora de dormir — e só no final eu encontrava seus lábios....
Ian McEwan
Amor sem fim Enduring love 1991
Publicado 6 | Junho | 2016


Enquanto estava ali, olhando para baixo, um sentimento enterrado nela começou a se organizar numa forma coerente com a água. Mas era uma configuração dolorosa. Lembrou-se de como estivera ali mesmo a chorar numa noite, a noite de um certo noivado. As lágrimas caíam e era como se sua felicidade se desfizesse também. Então voltara-se  como se voltou agora – para a cidade e vira as igrejas, os mastros e tetos da cidade. É isso que fica, dissera consigo mesma. De fato era uma vista esplêndida... Ficou a contemplá-la por um momento e de novo se voltou para o rio. Havia também as Casas do Parlamento. Uma curiosa expressão, que era meio concentração meio riso, formou-se no seu semblante e ela endireitou os ombros para trás, como se comandasse uma tropa. Para o diabo com os impostores, disse, esmurrando o parapeito. Um mensageiro que passava encarou-a com espanto. Ela riu. Tinha o hábito de falar sozinha. E por que não? Isso também era uma das suas consolações, como conjunto de saia e casaco ou o chapéu enfiado na cabeça sem dar confiança ao espelho. Podiam caçoar dela se quisessem. Seguiu em frente...
Virginia Woolf
Os anos The years 1937
Publicado 4 | Maio | 2016


Vincent, aos poucos, ergueu os olhos, e olhou diretamente para a moça. Ela pairava na entrada, de maneira que ele pôde ver seu verdor distorcido e ondulado através do vidro duplo; o trem elevado trovejou acima de sua cabeça, e a vitrine estremeceu. A imagem dela esparramou-se como um reflexo num talher de prata, depois tornou gradualmente a solidificar-se: ela olhava para ele |...| os olhos dela, claros, rasos, de um verde felino, fixaram-se nele com uma intensidade alarmante. Tinham uma expressão de espanto e choque, como se, tendo testemunhado algum incidente terrível, houvessem ficado arregalados para sempre...
Truman Capote
20 Contos de Truman Capote The complete stories of Truman Capote
O falcão sem cabeça The headless hawk 1946
Publicado 22 | Março | 2016